Terra dos Mucubais

Achei este artigo uma boa dica de leitura…

Diz, Digo, Disse.

Em Abril passado, voei até Luanda. E, com mais três gaiatos, de Luanda até ao Lubango, antiga Sá da Bandeira. Atravessámos a Serra da Chela pela Leba — nomeada assim em honra da Engenheira Mária Alice Leba, responsável pela construção da estrada serpenteante. Cortámos a província do Namibe até à cidade com o mesmo nome, antiga Moçâmedes. As cascatas ocultas nas escarpas doiradas, nas nuvens esfumaçantes, no verde bravio, entreviam-se em nesgas de horizonte. Na viagem de volta, visitámos a fenda da Tundavala — uma greta opressiva na rocha. Um olhar para baixo, um assombro, o banzo. Um silvo, o sibilante vento que banha a pedra alta.

Mais tarde, de visita a um alfarrabista em Óbidos, meus olhos acorreram a um livro, um singelo livro — Tundavala: a oeste do Cassinga, do Engenheiro português Álvaro Rego Cabral, publicado em 1971 pela Sociedade de Expansão Cultural. Na capa, escrito a lápis, o preço — quatro…

View original post 312 more words

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s